Blog Projeto Passarela

Voltar

Como Estudar um Texto que Você vai Apresentar

Aprenda a maneira correta de estudar um texto dramático para ser interpretado

Por Diego Duda

Percebo que muita gente, ao ter que interpretar um texto dramático, não tem a menor ideia por onde começar até chegar a sua apresentação. Seja para uma cena curta ou para uma peça inteira, é preciso ter muito claro o processo correto sobre como estudar um texto que você vai apresentar. Dou aqui um passo a passo simples e direto que vai funcionar especialmente para aqueles textos que temos que estudar sozinhos.

1 – Leitura Branca

A primeira coisa que você precisa fazer ao estudar um texto que você vai apresentar é ler o texto. Parece óbvio, mas muita gente não dá o devido tempo à leitura do texto que vai interpretar antes de ensaiá-lo. Quando a gente se depara com um roteiro que precisa ser decorado, estudado, criado e apresentado, é fundamental a gente fazer o simples primeiro: ler. Só isso, ler o texto. Dedicar o tempo para reler e fazer anotações, sem se preocupar com a entonação que você vai utilizar, puramente para compreender sobre o que o texto fala, quais são as dúvidas que ele levanta, quem fala aquilo, o que o autor expressa naquelas palavras, etc. Isso tudo é de extrema importância para que você comece o processo de ensaio sabendo em qual terreno está pisando.

2 – Compreensão

Logicamente que esse item se mistura com o anterior, mas achei prudente criar um tópico separado para a compreensão do texto. Evite se agarrar às primeiras impressões que a obra te deu, vá mais fundo no personagem, tente entender se ele não está mentindo ao falar, se existem intenções escondidas, se ele diz o que pensa, se ele é honesto com seus sentimentos. Um bom texto dramático tem camadas que vão além do que está escrito e é papel do ator preenche-las com seu corpo e entonações.

3 – Estabelecimento de Plataforma

O correto estabelecimento de plataforma da personagem faz parte da compreensão do texto e do processo sobre como estudar um texto que você vai apresentar. Mas o que é isso? Estabelecer uma plataforma é não ter dúvidas sobre as circunstâncias nas quais o personagem se insere. Tente, ao estudar o roteiro, responder às seguintes questões (pra começar):

  • Quem é o personagem: sua idade, sua altura, gênero, tipo físico, temperamento, condição cultural, condição social, orientação afetiva, trejeitos, etc;

  • Onde está o personagem: tenha a certeza do ambiente físico no qual o personagem se insere. Se for um ambiente em que ele se sente à vontade, provavelmente ele fala de uma forma. Se é um lugar público, possivelmente ele se expressa de outra maneira.

  • Com quem o personagem fala: muito importante você saber com quem a sua personagem conversa ao dizer o texto. As relações que estabelecemos entre diferentes pessoas mudam completamente nossa forma de se expressar. Se o personagem conversa com a mãe, com a namorada ou com um professor, isso muda drasticamente a forma como ela conversa. Saiba também que tipo de relação o personagem tem com o interlocutor: se ele fala com a mãe, por exemplo, ele tem uma relação legal com ela? Não tem? Por quê?

  • Porque o personagem diz o que diz: qual o objetivo do seu personagem ao falar o que fala em cena. Saber quais os objetivos do seu papel é importante para dar as intenções corretas.
    Depois de responder a essas e outras questões que possam aparecer você começa a ter um desenho mental e imaginativo muito mais claro sobre a personalidade de quem você vai interpretar, auxiliando assim na sua construção.

4 – Ensaio

Depois de responder à essas questões, bora ensaiar! Esse é o momento para que você crie, aplique o que estudou e veja o que funciona e o que não funciona. Às vezes, durante o ensaio, algumas questões sobre o personagem surgem que talvez você não tivesse levado em consideração. Isso vai ajudando você a desenhar essa pessoa imaginária e transformá-la em algo mais real, mais palpável. Não se preocupe tanto com texto nessa fase. Saiba sim, mais ou menos o que o personagem diz, e ensaie de maneira a seguir um roteiro do que ele fala, mas se preocupe mais a criar o corpo e as intenções desse personagem e menos se o texto está correto. Isso a gente faz ao final do processo.

5 – Mudanças

Ensaiou bastante? Conseguiu criar o corpo, a voz e as intenções do personagem? Agora se desafie a mudar, a abrir mão de algumas coisas que você construiu e ensaie com intenções diferentes. Tente mudar o objetivo de cena, o sentimento numa fala ou o pensamento em outra. O ensaio é o momento propício para criação e devemos nos permitir arriscar para que, às vezes, a gente descubra novas possibilidades. Se suas mudanças te agradarem, tanto melhor, se não, sempre dá pra voltar à criação anterior.

6 – Acabamento

Após o processo de criação e ensaio, agora é a fase de dar aquela conferida no texto e se adequar definitivamente às falas. Veja se o que você ensaiou está de acordo com o que o texto diz, releia para ver se você atingiu os objetivos do texto e confira se suas falas estão de acordo com o que está escrito. Se você seguir esse passo a passo tenho certeza que vai realizar uma ótima apresentação.

E aí, curtiu as dicas sobre como estudar um texto que você vai apresentar? Deixe seu comentário aqui embaixo. Confira também a importância de um bom direcionamento artístico para qualquer ator.